CARTA ABERTA A POLÍCIA FEDERAL, BRASILEIRO DETONOU NO TEXTO

Governo da Paraiba - Portal da Cidadania

CARTA ABERTA A POLÍCIA FEDERAL, BRASILEIRO DETONOU NO TEXTO

Carta Aberta à POLÍCIA FEDERAL

Com as notícias de hoje sobre a entrevista e posterior intimação (com toda a razão) do atual Diretor
Geral da Polícia Federal – Delegado Fernando Segóvia pelo Min. Luís Roberto Barroso, eu me sinto na
obrigação moral de falar algo que há muito está preso não apenas em minha garganta, mas creio que na
de muitos que acompanham as notícias político/policiais.
Há tempos venho querendo expressar à Polícia Federal minha indignação sobre como esta Instituição
vem sofrendo inúmeros ataques “discretos”, porém sistemáticos e outros declaradamente explícitos e
imorais, daqueles que detêm o poder político e econômico, obviamente tendo como único objetivo
barrar as investigações dos mesmos, principalmente no que tange à Operação LAVA JATO e seus
desdobramentos. Isso colocou a Polícia Federal como prioridade absoluta dos esforços desta CORJA!
Vou enumerar algumas ações dos últimos meses – obviamente que há muito mais – contra as operações,
focadas na Polícia Federal e no MPF no intuito lembrá-los, embora eu duvide que vocês às tenham
esquecido. E faço uma ressalva: estas ações são as de conhecimento público. Imaginem as que não vêm
à tona e que apenas poucos de vocês têm conhecimento ou suspeitas.
 A completa desfiguração (estraçalhar seria a palavra mais correta) das Dez Medidas Contra a
Corrupção pela câmara dos deputados na fatídica madrugada na de 30 de novembro de 2016 em que
naquela noite eu não consegui dormir de tanta raiva, nojo, repulsa dessa classe política;
 Tentativas seguidas de aprovar a Anistia ao Caixa Dois e a Lei do Abuso de Autoridade;
 Força-Tarefa da Lava Jato perde 1/3 das verbas (maio/2017);
 Redução da equipe de 9 para 4 os delegados da Lava Jato (maio/2017);
 Contingenciamento de 44% das verbas de custeio da PF (maio/2017);
 Fim da Força Tarefa da Lava Jato (julho/2017);
 Transferência do Delegado Marcio Adriano Anselmo da Operação Lava Jato de Curitiba, para a
Corregedoria do Espírito Santo, alegando esgotamento (fevereiro/2017);
 Não preenchimento imediato do cargo vago deixado pelo Delegado Marcio Adriano Anselmo
(fevereiro/2017);
 Substituição do Min. Osmar Serraglio por Torquato Jardim (28 de maio de 2017 – em um domingo à
tarde);
 Declarações públicas e explícitas do Ministro do STF e do STJ Gilmar Mendes contra a Operação, a
Força-Tarefa, à Polícia Federal, ao MPF e aos juízes de primeira e segunda instância;
 Libertação de presos provisórios e de condenados na operação;
 Risco de libertação dos já condenados em segunda instância, o que põe em xeque uma das bases da
operação Lava Jato. Caso haja novo entendimento do STF sobre a Prisão após Condenação em 2ª
Instância, será o fim da Operação LAVA JATO.
 “Revisão” da Delação Premiada, que coloca em risco outra das bases da operação;
 Substituição de delegados em posto-chave que estavam à frente de investigações;
 Tentativas de direcionamento, de desacelerar ou arquivar investigações;
 A indicação de Fernando Segóvia com a “benção” e negociações de Michel Temer, José Sarney, Eliseu
Padilha, Moreira Franco e Gilmar Mendes (novembro/2017).
 “…porque uma única mala talvez não desse toda a materialidade criminosa que a gente necessitaria
para resolver se havia ou não crime…” – Fernando Segóvia (se é que ainda preciso citar o autor –
novembro/2017);
 O conteúdo da entrevista que Fernando Segóvia deu à Agência Reuters (fevereiro/2018);
Dito isso, lembrem-se que vocês precisaram cortar da própria carne para iniciar uma verdadeira limpeza
ao extirpar membros corruptos de sua instituição. E que graças a esta iniciativa a Polícia Federal
conseguiu obter o respeito e orgulho da sociedade. Lembrem-se que a Polícia Federal foi
REVERENCIADA E APLAUDIDA DE PÉ no desfile de 7 de Setembro no ano passado. Lembrem-se quantos
de vocês tiveram de investigar, interrogar e prender colegas de trabalho e até mesmo amigos.

Lembrem-se de tudo o que já passaram, de quanto tiverem que abdicar de suas vidas pessoais, de suas
famílias. Lembrem-se quem VOCÊS SÃO!!!
Peço que não deixem um trabalho que levou anos para ser erguido, para ser consolidado e tonar
verdadeiramente respeitável a Polícia Federal se perca.
Minha voz pode não ter a menor importância, mas tenham a certeza de que parte do que escrevi reflete
a opinião de muitos, tanto no que se refere à indignação por tudo que vem sendo feito contra a PF e
MPF, bem como o respeito e a admiração que temos pela Polícia Federal e pelo MPF.
Juliano Canhola de Azeredo Florianópolis, 10 de fevereiro de 2018.
PS.: Este texto foi enviado para 136 e-mails que consegui no site da Polícia Federal

Comentários