CLUBE DA HISTORIA : Um lobo em pele de Cordeiro

clube

Duas semanas após o início do primeiro ano da faculdade, chegou um novo aluno para a nossa turma de biologia. Chamava-se Kyle. Após algumas semanas de aulas, Kyle pediu-me namoro. E eu, radiante, aceitei. Passaram-se alguns meses e tornámo-nos inseparáveis. Aprendi muito sobre ele e sobre o tipo de pessoa que era. Ou que eu pensava que ele era.

Soube que vinha de uma família com um historial de violência e maus tratos. O pai era alcoólico e batia na mãe, e, desde criança, o filho assistia às cenas de violência. Inevitavelmente o divórcio ocorreu. O pai foi-se embora, mas os familiares começaram a maltratá-lo, e, frequentemente, foi obrigado a defender-se. E eu sentia pena dele… Cerca de seis meses após o início do nosso namoro, a relação entre mim e o Kyle começou a mudar: discutíamos muito sobre coisas sem importância e ele tornou-se muito ciumento. Na faculdade, tentava controlar-me: saber com quem falava, quem me acompanhava.

E insistia em levar-me às salas todos os dias para ter a certeza de que eu não falava com ninguém de quem ele não gostava. Durante o almoço observava-me como um falcão, exatamente para ver os rapazes com quem eu falava. E se eu falasse, gritava comigo e obrigava-me a prometer que não voltaria a fazê-lo. Algumas vezes, passávamos a hora do almoço sozinhos, ríamos e brincávamos juntos. Outras vezes, ele revelava-se ciumento e controlador. Tirava-me o telemóvel e revistava as minhas mensagens e chamadas.

Uma vez ficou tão furioso que desferiu um murro na parede e partiu as falanges dos dedos da mão. Depois, culpou-me: se eu não tivesse feito “aquilo”, ele não se teria magoado. Certo dia, fora da sala de aula, um professor ouviu o Kyle levantar-me a voz e viuo agarrar-me. Apercebeu-se que eu me debatia para me libertar. Então chamou-o e eu corri para a sala de aula. Mais tarde descobri que o professor falou com ele sobre o seu comportamento violento…e o Kyle acusou-me, uma vez mais, de o meter em apuros! E foi assim durante meses… Os confrontos tornaram-se mais violentos e físicos. Agarrava-me o braço e levantava a voz, mas não muito alto para não fazer cenas.

Quanto eu mais tentava resistir, mais ele me pressionava. Magoava-me e deixava-me com hematomas, que eu tentava encobrir e justificar. Foi no segundo ano da faculdade que as coisas realmente começaram a piorar e que ele começou a agredir-me constantemente. Um dia, fiquei até tarde na faculdade para terminar um projeto. Quando os meus pais me foram buscar já era escuro. Íamos jantar fora e soube imediatamente que, logo que vissem o hematoma na minha cara, não deixariam de me questionar. Assim, antes que reparassem, inventei uma desculpa: disse que tinha sido um acidente. Eu queria proteger o Kyle… Mas os meus pais não acreditaram. Confessei-lhes então a discussão e a agressão. Chamaram logo a polícia. Os agentes tiraram fotografias da mancha escura e roxa e disseram-nos que iam passar na casa do Kyle para o interrogar.

Três meses após o incidente, eu e o Kyle fomos a tribunal. O juiz repreendeu-o severamente e castigou-o, obrigando-o a horas e horas de serviço comunitário. E a sessões de terapia. Ficou proibido de se aproximar de mim. Até então, eu nunca me tinha dado conta que era vítima de violência no namoro! E foi preciso chegar a este ponto para descobrir a sórdida realidade. Como podemos ser cegos! Mas, apesar de tardiamente, acabei por acordar. E nunca mais permiti que ninguém me magoasse! Fui-me tornando uma pessoa mais forte e lúcida, e hoje tudo faço para ajudar outras jovens que passam por situações semelhantes.

 

Kristen Elias

Este post tem um comentário

  1. Roberto Justino

    Triste relato de uma história com final feliz; quando vemos muitos casos que acabam de uma forma muito pior. O caso dessa jovem , figura entre milhares pelo mundo.
    Acredito que não é que por nascer em um lar desajustado que venha se tornar um ser desequilibrado; embora que, cenas domésticas vividas tornaram-se uma coisa natural na vida desse jovem.

Comentários encerrados.