AO AMIGO PITOTA DA LUZ (Marcos Bacalháo)

Governo da Paraiba

    PITOTA

 

Pitota, cada um de nós é como uma onda, que o Oceano leva de um lado à outro e seguimos sendo empurrados pela brisa e enfeitiçados pelo brilho  encantador das estrelas. Às vezes queremos ser  vento, às vezes queremos ser nuvem. Mas queremos sempre ser um pouco de cada coisa ao mesmo tempo. É quando aprendemos a amar sem ninguém ensinar.

 

Encontramos  pessoas vida afora e dividimos frustrações, desencantos e também delírios. São essas pessoas a quem chamamos de amigos e são justamente eles que nos fazem prosseguir como o vento soprando as nuvens. Porque são justamente os amigos  que pagam à  vista nossos sonhos e financiam nossas loucuras. E nada do que queremos ser seremos sozinhos, porque é preciso dividir com alguém o peso dos ombros, a carga na alma, a lágrima e também o sorriso.

 

Amigo Pitota, sonhamos em transformar o mundo porém, cada um de nós tem seu mundo particular. Então não podemos ajudar a transformar o mundo de quem não quiser, mas sempre podemos mudar nossa casa e nossa rua. Podemos transformar o mundo sim. Cuidando uns dos outros, aprendendo a nos responsabilizar por todos, cuidando dos nossos filhos  e dos filhos de nossos vizinhos também.

 

Te confesso: Às vezes queremos ser vento, às vezes queremos ser nuvem. Mas às vezes também queremos ser rochedo. Porque o rochedo é como você, não envelhece nunca.

Porém, muitas vezes queremos ser tempestade, somente para poder varrer as ruas e alamedas, para varrer também os lugares por onde os sonhos dos nossos amigos irão passar.

 

 

Ingá, 20 de abril de 2016

Comentários

  1. Por Azevedo