Lúcio Flávio vai acumular a secretaria Executiva do Governo e a Chefia de Gabinete
  • Post author:
  • Post category:Sem categoria

Lúcio Flávio é amigo pessoal de Ricardo Coutinho e teve papel importante durante a campanha.

lucio_flvio_20101222_185351O novo governador, Ricardo Coutinho (PSB), já avisou que a palavra de ordem da sua gestão é economia. O socialista deixou de nomear alguns executivos para evitar mais gastos e ainda colocou o professor Lúcio Flávio (PT) para acumular a secretaria Executiva do Governo e a Chefia de Gabinete.

Lúcio Flávio é amigo pessoal de Ricardo Coutinho e teve papel importante durante a campanha. Acompanhou o socialista por diversas atividades e era apontado como uma espécie de “conselheiro” de Ricardo. Ele chegou a ser cotado para assumir a Secretaria de Educação.

O novo secretário executivo e chefe de gabinete é cientista político e debatedor do programa Conexão Master, da TV Master. Graduado em História pela UFPB e com Mestrado e Doutorado em História pela Universidade de São Paulo (USP), Lúcio Flávio Vasconcelos é também Professor Orientador do Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS), do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da UFPB.

O que disse o Jornalista Tião Lucena :

Cientista político, Lúcio Flávio integra, como eu, a equipe do programa Conexão Master, apresentado pelo jornalista Luiz Torres, às segunda-feiras, na TV Master. Professor do Departamento de História da Universidade Federal da Paraíba, ele é autor dos livros História Política do Sendero Luminoso (1998), Guardiões da Ordem (2001) e América Latina: Entre a Civilização e Barbárie (2005), todos lançados pela UFPB.

Graduado em História pela UFPB e com Mestrado e Doutorado em História pela Universidade de São Paulo (USP), Lúcio Flávio Vasconcelos é também Professor Orientador do Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS), do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da UFPB.

Com um currículo desses, Lúcio Flávio está habilitado para exercer qualquer cargo, aqui e alhures. Até mesmo o Ministério da Cultura de Dilma Rousseff. Ela é que perdeu por não tê-lo chamado. Ganha, portanto, a Paraíba e os paraibanos.

PolíticaPB/Tião/vavadaluz