ENQUANTO EM BRASILIA LULA CANTA AGRA PARA INGRESSAR NO PT, EM CABEDELO VEREADORES PULAM MURO DA CÂMARA PARA NÃO APANHAR (Luis Torres)
  • Post author:
  • Post category:Sem categoria

O ex-presidente Lula não chegou onde chegou por falta de teimosia. Como dizia sua mãe, conforme contam as biografias do torneiro mecânico que virou presidente da República, “teime, Lula”. E Lula, mais uma vez, “teimou” em assediar o prefeito Luciano Agra para se filiar ao Partido dos Trabalhadores.

Foi em São Paulo quando Agra e Lula se juntaram pra gravar o Guia Eleitoral ao lado de Luciano Cartaxo, candidato a prefeito de João Pessoa pelo PT. Aliás, diga-se de passagem, uma participação efetiva, com direito a interação verdadeira, e não um mero depoimento.
 
Quando estavam apenas os dois, depois das gravações, Lula reforçou a cantada. Disse a Agra que ele “reforçaria os quadros da legenda”. O prefeito, com seu jeito ameno, driblou o ex-presidente, pra quem sempre é difícil negar algo. Sorrindo, nem disse que sim nem disse que não. “Quem sabe no futuro”, replicou.
Resposta semelhante a possibilidade de Lula vir à Paraíba ainda nesta campanha. Uma agenda foi discutida. Provavelmente no dia 3 de outubro. Mas Lula, como Agra sobre a filiação no PT, também não deu certeza.

Vereadores de Cabedelo pularam muro do quintal da Câmara pra escapar do povo

 

Chega ao blog o depoimento de um morador de Intermares, que assina o texto, e narra o que teria acontecido na noite da quinta-feira, quando vereadores de Cabedelo se reuniram em sessão pra desfazer a “melada” que fizeram ao votar projeto que impunha dificuldades para construção de um grande shopping na cidade.
De acordo com Normando Guedes Pereira Neto, leitor do blog, sete dos oito vereadores que votaram contra o shopping no início da semana, não tiveram coragem de sair pela frente da Câmara, mesmo depois de aprovarem novo projeto permitindo a construção do empreendimento.
Eles teriam saído pela porta dos fundos, precisando de escadas pra pular o muro para um beco vizinho, como se tivessem feito algo errado. O único entre os que votaram contra o shopping no projeto original foi Leto Viana, candidato a vice-prefeito pelo PMDB, que teria precisado de escolta policial pra não ser agredido pela população.
Para Normando, foi uma vitória do povo de Cabedelo. Mas o depoimento dele merece ser transcrito na íntegra. Confira.
Caro Luís Torres, Escrevo para contar um fato inusitado na eleição de Cabedelo. Conforme você noticiou no portal, os vereadores da Câmara de Cabedelo tentaram desfazer a melada do Shopping Intermares na noite de quinta-feira, 13/09. Mesmo revertida a decisão, o população de Cabedelo não se calou diante do ocorrido. Aqueles que Leto Viana tentou rotular de analfabetos (\”não tenho culpa se o povo de Cabedelo não sabe ler\”), por supostamente não entenderem o conteúdo da lei, estavam irremediavelmente revoltados. E aí ocorreu um fato interessante. Wellington Brito e Fabio Oliveira, vereadores do PSB, que na noite do dia 12/09 foram os únicos a se abster de votar contra o shopping Intermares, mantiveram a postura e saíram pela porta da frente. Leto Viana tentou fazer o mesmo: levou uma safanão na nuca e uma ovada. A população iria linchá-lo e foi necessária escolta policial. O restante dos vereadores, bem… não tiveram a mesma coragem de enfrentar a população \”analfabeta\”. Saíram pela porta dos fundos e precisaram pular o muro até um beco vizinho. E foi apoiados por duas escadas e alguns policiais, que sete vereadores engravatados fugiram como fazem os ladrões de galinha. O povo de Cabedelo ganhou mais que um shopping. Ganhou força. E essa primeira vitória talvez traga à terceira cidade do Estado em arrecadação um progresso compatível com sua riqueza. E o progresso não precisa do shopping (que é bem vindo) – precisa de compromisso dos políticos em aplicar bem a riqueza daquela cidade. Se bandidos do colarinho branco não se igualam a ladrões de galinha perante a lei, para o povo não há distinção. Tem que pular o muro, descalço ou de terno e gravata, senão os donos da casa soltam os cachorros.
Normando Guedes Pereira Neto