Pular para o conteúdo

Blog do Vavá da Luz

CLUBE DE HISTORIA EM : Em guerra com o planeta

Em guerra com
o planeta
Quando tomamos consciência do alcance dos danos causados ao planeta, o peso
é esmagador. É como se tivéssemos sido subitamente encandeados pela luz dos
faróis de um camião TIR. Esta é uma imagem representativa da economia globalizada
do nosso tempo, a do carvão e do petróleo, uma sociedade industrializada, com a sua
vasta teia de relações de poder corporativo, informação digital, opiniões e falsas
notícias.
Esta sociedade alimenta-se dos conflitos armados em diferentes partes do
mundo, e também da passividade de todos os que gozam de condições de vida
favoráveis nos países industrialmente desenvolvidos. Aqueles de nós que estão a
bordo desse camião TIR vivem confortavelmente, sem quererem saber da imensa
destruição do capital natural da Terra. Demos plena liberdade a grandes empresas
ferozmente predatórias, autorizando-as a explorar os “recursos” do planeta como se
estes fossem ilimitados.
É uma imagem preocupante. Mas esse camião forma um connosco. A destruição
que está a ocorrer à nossa volta é também da nossa responsabilidade. Com exceção
daqueles que vivem inteiramente fora do sistema, por necessidade ou escolha, não
há homem, mulher ou criança no mundo industrializado que não se preste
diariamente, de alguma forma, ao apetite consumista que está a esgotar os recursos
da Terra.
Onde quer que o camião TIR chegue, devora rios, montanhas, florestas, oceanos,
povos, criaturas, e todos os sinais de afeto, bondade e equilíbrio do mundo natural,
não deixando nada de autêntico, de sábio, belo ou diverso por entre os escombros.
Apenas um imenso terreno árido e homogeneizado a que chamamos civilização:
centros comerciais, parques de estacionamento, zonas industriais, betão, fumo e
intermináveis arranha-céus. E, nos países pobres, nem isso — apenas sacos de
plástico ao vento, uma pobreza imensa e a exploração desenfreada de pessoas e
recursos naturais.
O camião TIR que todos ajudámos a construir — ao não resistirmos à sua oferta
interminável de bens de consumo e ao fecharmos os olhos aos seus malefícios —
transporta consigo uma visão do mundo extremamente bárbara, que, nas últimas três
décadas, foi deixando todas as formas públicas de cuidado e altruísmo — de uns em
relação aos outros e a toda a vida na Terra — quase inteiramente entregues ao
voluntariado e à religião. Ainda existe um sentido de coletividade em termos sociais
e desportivos, mas pouco resta em termos sociais.
Penso que todos estamos conscientes de que o Imperador do consumo ilimitado
e do crescimento económico não tem qualquer vestígio de moralidade para cobrir a
nudez da sua ganância.* Mas também sabemos que, dando nome e exposição à
atitude do imperador, as aparências cairão por terra.
Precisamos de encontrar uma forma viável de nos afastarmos de um sistema
económico que se encontra em guerra com o planeta. Se conseguirmos aceitar este
desafio, o esforço que teremos de desenvolver para responder a esta grande questão
do nosso tempo poderá acordar partes esquecidas de nós mesmos e fazer-nos
crescer em maturidade. O perigo comum do aquecimento global não é apenas uma
questão económica e política, mas uma oportunidade moral importantíssima para
restaurarmos os valores éticos capazes de fazerem face a uma visão do mundo
assente na ganância e no egoísmo.
Susan Murphy
*Alusão ao conto As roupas novas do Imperador de Hans Christian Andersen.