CHICO PINTO EM : Pancadaria não enche urna
  • Post author:
  • Post category:Sem categoria

A menos de 20 dias das eleições a guerra foi oficialmente declarada entre os candidatos a Prefeitura de João Pessoa. Se antes os ataques eram contidos, agora eles são abertos e especialmente direcionados para o candidato do PT, Luciano Cartaxo, que aparece na liderança das últimas pesquisas.

Os ataques partem, principalmente, do marketing do ex-governador José Maranhão, que se sente incomodado por ter sido “atropelado” pelo candidato petista e, notadamente, da aproximação política deste com o atual prefeito da capital Luciano Agra, considerado o detentor de votos nestas eleições, conforme os índices de aprovação da sua administração.

Por sua vez, os responsáveis pela campanha do candidato tucano, Cícero Lucena, também se esmeram nos ataques. Só que a maior parte da artilharia vem sendo apontada para a candidata do PSB, Estela Bezerra, candidatura esta, respaldada pelo governador Ricardo Coutinho, tido como o inimigo fidagal de Cícero.

Estilhaços também atingem o candidato petista na medida em que ameaça ir para um provável segundo turno suplantando os demais candidatos. Acusam o petista Luciano Cartaxo de incoerente e de tentar se apropriar de obras executados nas gestões de Ricardo Coutinho e do próprio Agra, na Prefeitura Municipal de João Pessoa, quando se sabe que tanto ele ele como o PT faziam sistemática oposição a estes administradores.

Enquanto isso, o guia eleitoral do PSB, tem se esforçado para mostrar as qualidades da candidata Estela Bezerra, sem também esquecer de mirar os seus torpedes nos seus antagonistas, principalmente em Cícero e Luciano. Acusa Cícero de envolvimento em desvio de recursos públicos da PMJP, durante a época em que esteve à frente da edilidade.

A operação denominada “Confraria” voltou à tona e hoje faz parte do prato principal dos debates e do próprio guia eleitoral. Este tema colocou Estela Bezerra e Cícero Lucena em confronto direto nos últimos dias. Ambos exigem a quebra do sigilo dos processos: Estela desafiou Cícero a quebrar o sigilo da “Confraria” e Cícero se contrapõe, exigindo a abertura dos arquivos jurídicos do caso “Cuiá”, na expectativa de envolver a candidato do PSB na compra daquela área.

Quanto a Cícero e Maranhão, o clima amistoso inicial da campanha também se desfez. Sub-repticiamente, Maranhão se aproveita das farpas entre Estela e Cícero, para se arvorar como o único candidato ficha limpa do momento numa clara referencia aos processos que envolvem o candidato tucano. Por sua vez, o guia eleitoral de Cícero deixa antevê que João Pessoa precisa de alguém que saiba administrar, tenha planejamento e conheça as necessidades das pessoas em cada bairro.

Já o guia de Estela Bezerra indica que há candidatos vendendo propostas sem viabilidade técnica e econômica apenas para agradar alguns setores da sociedade. Diz que estão querendo vender soluções mágicas sem conhecer a realidade dos problemas da Capital. Numa clara alusão ao candidato Luciano Cartaxo alerta os eleitores da capital para “os perigos da inexperiência” administrativa do candidato.

Enquanto isso, os candidatos dos partidos considerados “nanicos” – Antônio Radical, do PSTU; Lourdes Sarmento, do PCO; e Renan Palmeira, do Psol – se utilizam do guia eleitoral e dos debates para marcar posição e colocar em evidência os seus partidos. Renan e Radical tem direcionados as suas artilharias na direção de todos os candidatos considerados grandes.

Diante da experiência dos candidatos, a maior parte testado e provado nas urnas, é recomendável e salutar que deixem de lado os impropérios contra os seus desafetos políticos, mesmo por quê “pancadaria na enche urna”, como afirma com propriedade o marqueteiro Duda Mendonça, e parta para conquistar o eleitorado através de propostas concretas e consistentes.

Agindo desta forma, quem sabe, se as urnas não irão engordar nesta direção?!