CASA OU NÃO CASA ? “Ela não vai desistir”, diz mãe de mulher que tentou invadir Palácio do Planalto para falar com Dilma 20/09/2012 | 18h38min
  • Post author:
  • Post category:Sem categoria

 -dilma 

“Ela adora a Dilma e não é de hoje. Faz muito tempo. Eu a conheço, ela não vai desistir enquanto não encontrá-la”, disse nesta quinta-feira (20) Neusa Ferreira da Silva, de 58 anos, mãe da campineira Edmeire Celestino da Silva, de 29 anos, que se diz ‘marido’ da presidente.

Edmeire saiu de sua casa, em Campinas (93 km de São Paulo) há 12 dias para tentar se encontrar com Dilma. “Ela saiu dizendo que ia se encontrar com a presidente de qualquer jeito. Se a Dilma fizesse ao menos um ‘oi’ pra ela, talvez ela já ficasse feliz e voltasse pra casa”, disse a mãe.

Neusa está preocupada com a situação da filha em Brasília. “Parece que ela tem dormido lá no Planalto, mesmo. Nem sei o que está acontecendo direito. Falei com ela ontem, mas não entramos nesses detalhes.”

A mãe também disse que quando viu a notícia que ela havia tentado invadir o Palácio do Planalto ficou desesperada. “Até liguei no hospital de Brasília, mas não consegui contato naquele dia. Agora estou mais tranquila, falei com ela ontem, mas não vejo a hora que ela volte para casa. A assistente social lá de Brasília fez ela me ligar ontem. Ela está bem tratada e limpinha.”

Segundo a mãe, além de ser vidrada em Dilma, Edmeire sofre de transtorno bipolar. “Cuido dela como se fosse uma criança. Por mim, ela nem sai sozinha, mas ela trabalhou uma semana para um candidato, guardou o dinheiro e disse que ia de qualquer jeito para Brasília, na quinta-feira antes do feriado de 7 de Setembro.”

“Ela queria só gritar ‘eu te amo, minha Dilminha’ e chegar perto da presidente no desfile, mas como chegou à cidade depois do evento, ligou e avisou que ia ficar por lá até conseguir falar com a presidente”, relatou a mãe.

Neusa também informou que esta não foi a primeira vez que a filha viajou para se encontrar com a presidente. “Ela tenta se aproximar de Dilma há anos. Já foi até para o Rio de moto, para tentar vê-la, mas não conseguiu.”

Edmeire tem uma barraca de sucos no Jardim Nova Europa, em Campinas, mas quem cuida do local é Neusa, já que a doença faz com que a filha tenha oscilações de humor e comportamento.

A tentativa

O caso de Edmeire veio ao conhecimento no último dia 11 de setembro, quando ela chegou ao Palácio do Planalto, em Brasília, subiu a rampa e disse que queria falar com Dilma. Edmeire vestia roupas masculinas e se apresentava como “marido da presidente”.

Os seguranças da Guarda Presidencial tentaram impedi-la de entrar, mas ela insistiu, e os seguranças foram obrigados a detê-la disparando dois tiros de festim e retirando-a de lá à força.  De acordo com a assessoria de imprensa da Superintendência Regional da Policia Federal, em Brasília, o pessoal da segurança achava que se tratava de um homem.

O sexo de Edmeire só foi descoberto no Hospital das Forças Armadas, para onde foi encaminhada e medicada. Após a liberação, a moça foi encaminhada à PF, onde foi feito um Termo Circunstancial de Ocorrência (TCO) por perturbação de sossego.

Edmeire deverá comparecer à Justiça e vai responder em liberdade. Se condenada, a pena para o crime poderá ser cesta básica ou prestação de trabalho voluntário. A Polícia Federal informou acreditar que a jovem não tenha problemas psiquiátricos, apenas uma admiração grande pela presidente.

Na última terça-feira (18), Edmeire foi vista nas redondezas do Palácio novamente, mas não foi detida porque não adotou nenhuma conduta agressiva.

Pombos

Essa não foi a primeira vez que Edmeire tentou chamar a atenção de Dilma. Em novembro de 2010, ela ficou conhecida como o terror das pombas no Largo do Rosário, no centro de Campinas, depois de degolar três delas usando uma faca de cozinha presa a um cabo de vassoura.

Na época, ela também estava vestida com roupas masculinas e afirmou à polícia que era o marido da presidente Dilma e que teria matado os animais para chamar a atenção dela.

Edmeire estava transtornada no dia e só foi detida depois que o vice-presidente da Unidade de Proteção ao Animais (UPA), César Rocha, a perseguiu pela praça e chamou a polícia. Ela foi encaminhada para a Delegacia dos Animais da cidade, onde declarou seu amor à presidente.

Edmeire foi liberada após a elaboração de um outro TCO por maus-tratos e porte de arma branca e foi levada pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ao Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp, onde ficou internada por três meses.

De acordo com Neusa, desde essa época, a filha passou a fazer tratamento no setor psiquiátrico do HC.

UOL