QUANDO O AMOR À MÃE FALA MAIS ALTO ‘Tentei estancar o sofrimento da minha mãe’, diz adolescente que matou o pai em JP

Governo da Paraiba

‘Tentei estancar o sofrimento da minha mãe’, diz adolescente que matou o pai em JP

dafcb6c0 0368 484d bc4e c9da34e15c0a 1 300x200 - 'Tentei estancar o sofrimento da minha mãe', diz adolescente que matou o pai em JP

O suspeito tem 16 anos, cursa o 3o ano do Ensino Médio, é considerado um ótimo aluno e sem envolvimentos com o tráfico de drogas. Esse é o perfil do adolescente que matou o pai com golpes de marreta na noite desta terça-feira (05) no bairro de Paratibe, em João Pessoa.

De acordo com a promotora, Ivete Arruda, o rapaz confessou que praticou o crime por que não aguentava mais ver a mãe sendo agredida pelo seu pai.

“Para surpresa minha, me foi apresentado um estudante do 3o ano, ótimo aluno, estudioso. Não é usuário de drogas e vive do colégio para casa. Mas me foi apresentada, também, uma situação de abusos e agressão por parte do pai, desde a infância. Ele acompanhou, durante todos esses anos, um pai usuário de álcool agredindo a mãe, não apenas verbalmente. Era ele quem tentava diminuir o vício do pai, inclusive, buscando ele no bar”, explicou.

O depoimento do suspeito, segundo a promotora, foi regado às lágrimas. “Ele me disse em lágrimas: ‘eu tentei estancar o sofrimento da minha mãe’. Ele repetiu isso várias vezes na oitiva informal de que a única coisa que queria era parar de ver a mãe ser agredida, e de ver o meu irmão ser molestado”, relatou.

Medo de denunciar

Casos de agressões não relatados podem ter desfechos trágicos como esse, lembrou a promotora. “Eu perguntei por que ela não denunciou? Mas a resposta foi que ela o amava. Mas a nossa orientação é que você, mesmo que ame, não tenha medo. Se ame, se respeite. Mesmo com medo e amando alguém denuncie o abuso. Você está evitando que seu filho seja vítima de uma tragédia como essa”, alertou.

Ainda não há definição sobre o local para onde o rapaz será enviado, mas a promotora confirmou que ele ficará detido, uma vez que houve o crime de homicídio.

Relembre o caso

Rivaldo de Santana Oliveira, de 46 anos, morreu no local após ser ferido com golpes de facão e marreta nos braços, mão, tórax e cabeça. De acordo com a Polícia Civil, o adolescente presenciava constantemente violência doméstica entre o casal. “O homem chegou embriagado e começou a bater na mulher. O menor, para defender a mãe, pegou uma marreta e uma faca e tentou defender a mãe. É uma tragédia que acabou com uma família”, disse em entrevista, o delegado Silvio Bardasson.



Fonte: T5

Créditos: T5

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *