Mistério resolvido: Cientistas descobrem origem das pedras de Stonehenge

Mistério resolvido: Cientistas descobrem origem das pedras de Stonehenge

Pesquisadores usaram técnicas de raio-x para estudar rochas de 30 toneladas

stone

Flickr/Freesally

Pesquisadores descobrem a origem das rochas usadas na construção do monumento Stonehenge

Stonehenge, uma maravilha neolítica situada ao sul da Inglaterra, tem instigado historiadores e arqueólogos há séculos com seus muitos mistérios : como foi construída? Qual a sua finalidade? De onde vieram suas imponentes rochas de arenito?

Essa última pergunta pode, finalmente, ter uma resposta depois que um novo estudo descobriu que a maioria das pedras gigantes – conhecidas como sarsens – parecem compartilhar uma origem comum a 25 quilômetros de West Woods, uma área repleta de atividades pré-históricas. O artigo foi publicado na revista científica Science Advances.

A descoberta reforça a teoria de que os megálitos foram levados a Stonehenge na mesma época: por volta de 2.500 A.C., a segunda fase da construção do monumento que, por sua vez, poderia ser um sinal de que seus construtores eram de uma sociedade altamente organizada . 

A pesquisa ainda  rebate outra teoria  de que um grande sarsen, conhecido como a Pedra do Calcanhar, veio da vizinhança e foi erguido antes dos outros.

O autor principal David Nash, professor de Geografia Física da Universidade de Brighton, disse que ele e sua equipe tiveram que criar uma nova técnica para analisar os sarsens, que medem até nove metros de altura e pesam até 30 toneladas .

Primeiro, eles usaram raios-X portáteis para analisar a composição química das rochas, que são 99% de sílica, mas contêm vestígios de vários outros elementos.

stone

Sam Frost (English Heritage)

Jake Ciborowski (Universidade de Brighton) analisa o núcleo sarsen extraído de Stonehenge, usando um espectrômetro portátil de fluorescência de raios-x

Enorme esforço

Trabalhos anteriores descobriram que as “pedras azuis” menores de Stonehenge vieram do País de Gales, a cerca de 200 quilômetros a oeste, e o novo estudo diz que elas e os sarsens foram colocados ao mesmo tempo .

“Então, deve ter sido um esforço enorme acontecendo naquele momento”, disse Nash. “Stonehenge é como uma convergência de materiais trazidos de diferentes lugares “.

Ainda não se sabe como os construtores foram capazes de transportar as rochas por uma distância de 25 quilômetros – embora a ideia predominante seja que elas foram arrastadas por trenós. “Acho que estamos diante de uma sociedade muito organizada “, acrescentou Nash.

Quanto ao motivo pelo qual eles escolheram West Woods, segundo o especialista, poderia ter sido um caso de pragmatismo, pois era um dos locais mais próximos. Mas a área já era um ninho de atividade neolítica . 

Nash disse que a técnica de pesquisa desenvolvida poderia ajudar a responder a outras questões arqueológicas , como a rota usada para transportar as rochas. Ele e sua equipe também esperam usar as técnicas em outros locais antigos espalhados pela Grã-Bretanha.

Fonte: undefined – iG /vavadaluz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *