Mais de 100 policiais militares são afastados por transtornos psicológicos na Paraíba

Mais de 100 policiais militares são afastados por transtornos psicológicos na Paraíba

Em reportagem exclusiva, Portal T5 apresenta aumento de 187% no índice de licenças das funções, entre 2021 e 2022

Aspirantes da Polícia Militar (PM) durante formação, em 2021.

Aspirantes da Polícia Militar (PM) durante formação, em 2021. (Foto: Arquivo/Divulgação)

Problemas psicológicos fizeram 133 policiais militares serem afastados das atividades na Paraíba, entre os anos de 2019 e 2022. O relatório obtido com exclusividade pelo Portal T5 revela o aumento dos transtornos com saúde mental dentro da corporação nos últimos anos. Entre 2021 e o ano passado, houve um salto de 187% no índice de licenças das funções. 

Os dados da Polícia Militar da Paraíba (PMPB) investigados via Lei de Acesso à Informação (LAI) revelam ainda a morte por suicídio de cinco membros do efetivo nos últimos dois anos. 

 

O estigma do tratamento da saúde mental tem consequências no ambiente de trabalho. Em análise aos dados apresentados pela reportagem, o psicólogo Theo Salles acredita que muitos diagnósticos ainda são desconhecidos. “Apesar do nítido aumento entre 2019 e 2022, é muito provável que esses números estejam sub notificados”. 

Para os homens, um dos fatores que dificultam diagnósticos pode ter explicação cultural. “A característica do machismo impede a busca à saúde mental dentro da sociedade, principalmente quando falamos na área da segurança pública, que em sua grande maioria composta por pessoas do sexo masculino”, diz o psicólogo.

Os diagnósticos de transtornos relacionados à saúde do trabalhador são realizados por psicólogos ou médicos, porém, sintomas podem servir de alerta. “Cansaço excessivo físico e mental, insônia, pressão alta, dores musculares, problemas gastrointestinais, dificuldade de manejo das próprias emoções, sentimentos de derrota, desesperança, isolamento e negatividade constante são sintomas que atingem toda a população em algum momento, mas, dependendo da intensidade da frequência, precisam ser observados para a busca por tratamentos, que, normalmente, consistem na psicoterapia e ou tratamentos medicamentos”, afirma Theo Salles.

(Foto: Arquivo/PMPB/Divulgação)

 

A campanha Janeiro Branco, desenvolvida neste mês, promove iniciativas que deveriam ser comuns durante todo o ano. A cultura de pouca atenção à saúde mental e à promoção do bem-estar social acarreta diversos transtornos mentais, sobretudo, no ambiente de trabalho. 

Ao Portal T5, o setor de Assistência Psicológica da PMPB declarou que existem programas e atividades destinadas à saúde mental de servidores, que atuam na prevenção, acolhimento e acompanhamento de servidores e dependentes com transtornos mentais.

Siga o Portal T5 noGoogle Notícias