CUMPADE FABIO MOZART É CANDIDATO A ASSUMIR A BATUTA DA ACADEMIA DE CORDEL DO VALE DO PARAIBA E LANÇA SUA CARTA DE INTENÇÕES

CARTA DE INTENÇÕES DO CANDIDATO FÁBIO MOZART

 

Nobres confreiras e confrades:

Minha motivação em aspirar a direção da Academia de Cordel do Vale do Paraíba, sucedendo ao distinto colega Marconi Araújo, é por acreditar que ainda poderei empregar minhas energias de ativista cultural por mais de meio século, na consolidação dos objetivos centrais da entidade, quais sejam, o engrandecimento da arte do cordel e a fraternidade entre nossos pares, buscando principalmente prestigiar as pessoas formadoras desta sociedade de artistas da palavra. Os camaradas Sander Lee e Marconi Araújo, nos oito anos dos seus respectivos mandatos, souberam, com persistência e dedicação, projetar a imagem da Academia de Cordel do Vale do Paraíba, tornando-a uma das melhores associações congêneres do país. Vejo meu possível mandato como uma fase em que deverei focar mais para o interior, valorizando de forma continuada em todas as ações, as associadas e associados.

Meu currículo já é do conhecimento da maioria dos confrades e confreiras, confessando que a fundação desta Academia em 2015, ideia que concebi juntamente com Sander Lee, foi um grande diferencial para minha vida como poeta “de bancada” e editor de cordel, passando a dedicar a esse ofício a maior parte do meu tempo. Aqui eu tive a oportunidade de aprender com os formidáveis e trocar experiência com os demais, voando na mesma altitude e sintonia deles e delas, permanecendo positivamente motivado pela oportunidade de conviver com pessoas que ocupam posição de destaque no quesito gentileza e fraternidade, também vocação e maestria.  

Já anunciei e reafirmo: serei candidato de consenso ou evitarei concorrência. A partir do momento em que surgir outro nome de uma companheira ou companheiro dispostos a dirigir a Academia nos próximos dois anos, abdicarei da minha pretensão e passarei a apoiar esse nome. Pelo simples motivo de que minha meta maior é a convergência e unidade, sendo que uma disputa, por mais fraternal que seja, sempre deixa um rastro de atrito prejudicial e nossa instituição ainda é jovem, precisa de harmonização e unidade para amadurecer e ampliar seus limites, em benefício da arte cordelesca.

Dito isto, passo a apresentar esboço do que seriam os projetos que apresentarei aos associados e associadas:

01- Os representantes juvenis participarão de todas as atividades da Academia e terão sua programação específica para estudar e ajudar na disseminação da cultura do cordel em suas escolas e entre seus contatos sociais. Prevista reunião bimensal do grupo, recebendo curadoria de membros da Academia de Cordel do Vale do Paraíba.

02 – Reorganizar e recuperar o programa radiofônico “Sarau da palavra” em emissoras parceiras, a exemplo da Rádio Online DiarioPB e Rádio Zumbi. Criar canal no Youtube para apresentação de performances dos associados.

03 – Sortear mensalmente três nomes de sócios ou sócias para que sejam homenageados durante a programação da entidade naquele mês, culminando com publicação de um cordel de cada premiado, com as despesas de edição por conta da Academia. Este plano deverá ser cumprido nos 24 meses do meu mandato.

04 – Publicar ao final do ano a revista “Folheto”, com exposição de todas as atividades da associação durante o período.

05 – Realizar congresso anual e assembleias bimensais com a presença física dos sócios e sócias, encontros que serão realizados nas cidades onde a Academia conta com poetas atuantes, citando Pilar, Itabaiana, Ingá, Campina Grande, Itatuba, Pocinhos, Bananeiras, Guarabira, Cabaceiras e outras localidades nas demais regiões do Estado.

06 – Incentivar a prática e preparação do associado para a feitura do cordel em seus três elementos e iniciação na arte da xilogravura, com oficinas inclusive de empostação de voz, dicção e oratória para os poetas declamadores.

07 – Manter as parcerias nos eventos culturais já existentes, a exemplo do Sarau Poemas e Cantos da Cidade, propondo que as participações da Academia também sirvam como forma de aperfeiçoamento e valorização dos sócios e sócias, com grupos alternados encarregados de cada edição.

08 – Havendo receita suficiente, oferecer transporte e estada para poetas que se deslocarem para as plenárias da Academia em outras cidades.

09 – Promover espetáculo musical poético, “Cordel do Fogo Apagado”, com participação de confrades e confreiras, para apresentações nas cidades onde sejam realizadas as plenárias.

10 – Entregar o Prêmio Violeta Formiga anualmente para mulheres que tenham se destacado em suas comunidades, notadamente nas áreas da cultura popular, para reconhecer e dar visibilidade a essas artistas do povo, enfocando os valores regionais e a diversidade. Em parceria com a Sociedade Cultural Poeta Zé da Luz, igualmente promover o Prêmio Zé da Luz para artistas e produtores culturais da Paraíba.

11 – Organizar e preparar os núcleos setoriais da Academia de Cordel do Vale do Paraíba, apresentando as proposituras abaixo, para decisão da plenária sobre sua efetivação:

  1. a)NÚCLEO DE COMUNICAÇÃO – Planejar e executar, além de orientar a política de comunicação social da ACVPB, objetivando unificação de conceitos e procedimentos de comunicação;
  1. b)NÚCLEO DE EDITORAÇÃO – Produzir ou supervisionar obras literárias dos associados, textos publicitários, materiais didáticos e documentos oficiais. Todos os associados ou associadas que desejarem especificar em suas obras que são membros da ACVPB, deverão submeter seus trabalhos ao exame do Núcleo de Editoração;
  1. c)NÚCLEO DE RELAÇÕES PÚBLICAS – Elaborar os objetivos, estratégias, tarefas, cronogramas e orçamentos de eventos. Organizar os atos culturais, como plenárias, seminários e outros, incluindo atos sociais como aniversários, jantares, comemorações em geral, dirigindo o cerimonial;
  1. d)NÚCLEO DE FINANÇAS – Este Núcleo deverá auxiliar a Diretoria de Finanças, organizando atividades ou campanhas de arrecadação e criando estratégias para ampliar os recursos da ACVPB, sistematizando ainda a cobrança das contribuições sociais dos associados e associadas.

11 – Preparar os trâmites burocráticos da ACVPB para participar de editais de incentivo à cultura.

12 – Realizar o projeto “Feira de folhetos”, com exposições desse gênero literário tradicional produzido pelos associados, programadas em eventos nas cidades onde a ACVPB venha a atuar.

13 – Elaborar projeto Circuito Paraibano do Cordel e do Repente para negociar com entidades públicas e privadas, para efetivação em 2023 ou 2024.

14 – Dialogar e buscar aproximação com entidades congêneres em Pernambuco, Alagoas, Rio Grande do Norte e Ceará, incluindo a Academia Brasileira de Cordel, para possíveis parcerias e colaborações mútuas.

15 – Incentivar o grupo feminino da AVCPB nas ações de empoderamento cultural, estimulando e promovendo o processo de comando sobre aspectos das atividades e realizações da instituição.

  

João Pessoa, 15 de dezembro de 2022.

Fábio Mozart