Senhor Governador (   Marcos Pires)

Governo da Paraiba

Marcos Pires

            Senhor Governador

 

Espero que esta missiva o encontre em paz e com saúde. Poderia continuar com as loas de estilo, mas a Paraíba não pode perder tempo. Portanto vamos ao que importa.

Sabe Vossa Excelência que dispõe de uma verdadeira fortuna (mais de dois bilhões de reais) para investir na recuperação de empresas e com isso gerar emprego e renda para o Estado? Melhor ainda, sabe que igual quantia poderia ser poupada aos cofres públicos e investida em saúde, educação e segurança?

Ôba! Então são quatro bilhões de reais, Excelência, sendo dois bilhões para recuperar as empresas e mais dois bilhões para investimentos em favor do povo.

Se for do seu agrado e os “çabios” não colocarem gosto ruim, determine que as empresas em dificuldade, que tenham ICMS atrasado, possam usar os precatórios do Estado da Paraíba para abater seus débitos e com isso voltar a funcionar, produzir, empregar e pagar novamente os impostos, apenas trocando uma dívida por outra.

Os empresários procurariam os credores do Estado, comprariam deles – com deságio – os precatórios e iriam ao caixa do Estado pagar o que devem, extinguindo ao mesmo tempo os débitos do Estado com os titulares desses precatórios,

Assim a quantia reservada mensalmente por imposição constitucional para esses pagamentos seria redirecionada para as questões mais importantes que afligem a população; saúde, educação e segurança.

E pelo amor de Deus, Governador, não acredite nos diabinhos que vierem lhe aconselhar o contrário, alegando que o Estado perderia receita. Estou falando de créditos vencidos e não pagos que sucessivas campanhas lançadas pelo governo para reaver essas contas vencidas não lograram êxito. Não se perde o que não se tem.

E já que consegui a atenção de Vossa Excelência, que tal permitir que os credores de precatórios possam fazer lances com seus títulos quando o Estado enfim criar juízo e decidir leiloar seus imóveis inservíveis (hotéis no interior, a sede do Paraiban, glebas…) que só dão despesas com vigilância e conservação?

Era isso por hora, mas tenho outras ideias. Que tal a bordo de uma cerveja geladíssima no Convívio?

Bom domingo, forte abraço.

               

         

              

              

 

Att,

Pires Bezerra Advocacia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *