Pular para o conteúdo

Blog do Vavá da Luz

De: [email protected]éu para: [email protected] ( Marcos Pires )

De: [email protected]éu para: [email protected]

 

Marcos Pires 

“Bom dia, meu neto querido. Gostei de ver você respeitando o que ensinei, principalmente aquela máxima de que quando estiver numa reunião com mais de cinco pessoas e não achar um idiota ao redor da mesa pode ir embora porque o idiota é você. Hoje quero tratar de outro ensinamento meu, o de que todo dia saem de casa um besta e um sabido e quando eles se encontram fazem um negócio, já que é impossível haver negócio entre dois bestas ou dois sabidos. Alguém sempre tem que perder. Portanto, ao sair de casa certifique-se de encontrar alguém mais besta que você.
E digo isso, amado neto, porque li um escrito seu (não tão bom quanto os textos de minha bisneta Ana Carolina) onde você contava a história dos macacos. Lembra? Tratou de espertalhões que criam uma falsa demanda num suposto mercado de compra de macacos e no final deixam a conta espetada para os “sabidos” que acreditaram. Quem riu muito ao ler aquele texto foi um italiano que conheci aqui; chama-se Carlo Ponzi, inventor de um esquema que leva o nome dele e constrói pirâmides financeiras. Ele gaba-se de ter dado um golpe de bilhões de dólares a preços de hoje.
O Ponzi só lamenta não estar entre os vivos porque a tal internet facilitou muito as atividades que ele chama de “além da lei”; é que primeiro criam-se os crimes e somente depois vem as leis para puni-los.
Ele diz que basta alguém publicar uma imagem de prosperidade para os “espertos” embarcarem na roubada. Está se divertindo muito com um caso que ocorre aí, onde os tais sabidos compram uma moeda que não existe e alugam essa moeda para receberem em troca rendimentos mensais de 10%. “-Ô Manoel, nem aqui no céu existe esse rendimento”. O Ponzi acha mais incrível ainda o fato dos investidores jamais terem se questionado sobre para o que serve o aluguel de um moeda. “-Se fosse um automóvel para ser locado ou mesmo um quadro para ser visto, vá lá. Porém uma moeda que não pode ser vista nem usufruída, vai render o que?”.
Portanto, meu neto, afaste-se sempre dessas novidades antigas, porque eu já lhe ensinei que olho grande só vê visagem. O Ponzi até gostaria de lhe contratar para cobrar royalties pela utilização de sua invenção (que ele diz ser genial), a tal pirâmide financeira. Desaconselho aceitar o cliente porque você poderá ganhar a causa, já que é advogado com boa taxa de sucessos, mas como iria receber seus honorários de um morto se nem alguns vivos lhe pagaram por outros serviços contratados?
A família aqui está toda feliz pelo sucesso da Baratona, principalmente sua mãe. Me despeço desejando saúde e paz. Que ainda demore muito para nos encontrarmos novamente.
Do seu avô Manoel Pires”.

. PS- Escrevi essa coluna na 2ª feira, bem antes das operações da P.F..